quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Terapia de grupo

Eu a Malvino estamos ajeitando o apartamento em que vamos morar aqui no Rio.
Ainda tem muito trabalho pela frente e depois que as instalações de alguns ítens ficarem prontas, iremos à Nova Friburgo para trazer alguns móveis, pertences, umas plantinhas e nossos gatinhos. A Upa não virá porque não tem como mantê-la bem  num apto pequeno com mais 2 gatos. Vamos encontrar um amigo para adotá-la e essa tarefa não será nada fácil. Mas estamos confiantes de que isso também vai se ajeitar. É uma sensação muito estranha ir para sua casa sabendo que não é mais para ficar...ainda não me acostumei com a ideia e fico pensando como será que tudo isso vai se dar. Ver a cidade tentando se erguer, os amigos queridos que sofreram e sofrem com tudo isso, ver a casa que talvez já estampe um ar de abandono...as plantinhas também sofridas e certamente ressecadas.
Estou me preparando para ir e pedindo a Deus Pai que me ajude a encarar TUDO com leveza e coragem. Quando chegarmos lá, teremos muito trabalho para selecionar os ítens que serão trazidos na mudança e estar ocupada faz o tempo passar mais depressa. É estranho porque ao mesmo tempo que tenho saudades de nossa casa, nossa vida , não quero estar lá. Certamente porque " nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia "...
E essa certeza é que gera o desconforto, pois é como se o lugar que moramos por tantos anos não existisse mais. As pessoas falam que não é nada disso, que a cidade está lá do mesmo jeito, está se reerguendo e etc... mas dentro de nós sabemos que não é verdade. É uma coisa visceral de difícil explicação. Poucos até o momento conseguem nos entender. Bem, esta é uma postagem de desabafo porque na falta de minha terapeuta, hoje recorro a vocês. É muito bom saber que existe do outro lado desta tela olhares atentos e amorosos que estarão sempre prontos para nos amparar. Obrigada, obrigada e obrigada. 

 
praia de copacabana as 9 h da manhã.

bjos.


8 comentários:

Margarida disse...

É, difícil de consolar. Difícil de viver, difícil de sentir. Mas a vida é um desafio e estar vivo é alimentar a esperança e a força. Não baixar os braços é mantê-los firmes até para um abraço apertado, quando nada mais há que reste. Mas resta tudo quando se tem tudo dentro do coração. É levantar e recomeçar com a certeza de que na passagem por esta vida é Deus quem nos dá mimo e colo como mais ninguém sabe fazer. Beijinhos.

Regina disse...

Mudancas sao sempre dificeis. Especialmente quando temos que encarar uma mudanca que nao escolhemos. Deixar pra tras algo que conheciamos bem, e gostavamos e doloroso, sofrido. Mas se algo nessa vida e certo, e que tudo muda, e por mais dificil que seja temos que seguir adiante na esperanca que essa nova situacao nos trara felicidade de alguma forma.
Tudo de bom pra voces.

Chica disse...

Te entendo perfeitamente...Aquilo ficou pra trás, mas está vivo em vocês, que vão superar tudo, tenho certeza e torço... E estão morando em COPA? Legal!

Tuuuuuuuuuudo de bom,beijos,chica

milu disse...

Norma, desde que conheci o teu blog me apaixonei....por tudo...especialmente pela história de amor tua e de Malvino.
Um momento dificil sei que vcs estão passando, ter q mudar sem escolher.
Mas tenho certeza que irão se adaptar...mas o silencio...ah, o silencio este vai ficar dentro do teu ser.Tambem sou apaixonada por ele, me faz falta...Procura buscá-lo bem dentro de ti, lá no fundo, e vais ver que ele está lá...
O Rio de Janeiro é um lugar lindo, mas moravas num lugar mágico.Tenho certeza que trouxestes para o Rio toda a magia de Nova Friburgo...aos poucos...teu espaço de morada vai se ajeitando e daqui a pouco estas apaixonada pela nova "casa". Deus te abençõe muito. Bjs.

Ana Maria ( Jeito de Casa ) disse...

oi Amiga..sei que não vai ser fácil...
Ontem estava fazendo o almoço e pensando em ti, se ias buscar tuas coisas pro novo ap.. mas pensei quanta coisa a Norma deve ter que fazer e arrumar...
Força pra vcs, acabei de vir do blog do teu marido e deixei um recadinho lá também...

bjão, coragem e boa sorte!!!

Myrian disse...

"Cada um sabe de si".
Desde que me entendo por gente, ouvia minha mãe repetir este dito.
Aprendi com ela e concordo plenamente, mas uma coisa é respeitar as decisões alheias e outro é entendê-las.
Tenho me omitido em enviar comentários aos seus posts, porque, sinceramente, não sei o que dizer... e quem sou eu para emitir opinião sobre decisões alheias? Antes de entendê-las, temos que respeitá-las!
Só posso dizer uma coisa para você e Malvino: desejo, do fundo do meu coração, que vocês sejam muito felizes nesta nova etapa de suas vidas e que vivam sempre em paz!
Beijos.

Anna Rachel disse...

QUERIDA AMIGA NORMA, como te entendo!!
Tb tenho sofrido tanto com td q aconteceu.
Ajudar aos meus pais a jogar coisas fora é cruel d+. É difícil explicar às pessoas o q estamos sofrendo, pois reconstruir, mesmo q bens materiais, não é tão fácil como parece.
Desde a tragédia tenho estado sempre na terrinha e cada dia me dói mais td q vi e vejo. É mto difícil não ver tdq desde criança esteve lá. É sofrido d+.
Bem, deixo aqui meu abraço apertado na certeza de q nossa força e o tempo suavizarão este sentimento intenso.
Bjs no seu coração querido. ;D

Anna Rachel disse...

Q sua vinda para o RJ seja tranqüila e feliz.
Q a readaptação tb seja calma e alegre.
Precisando de ajuda para qq coisa, ligue para mim. Vc já tem os tels e estarei SEMPRE à sua disposição.
Bjs 1000.