segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Álbum antigo

Ela já estava na casa de seus 46 anos e vinha apresentando uns sintomas estranhos. Como não percebia melhora, resolveu procurar o velho médico de família Dr. Propício. Ele a ouviu atentamente como de costume, e solicitou alguns exames laboratoriais. Após alguns dias ela retornou com os exames ao doutor. Ele leu e pediu que ela se sentasse. E disse com todas as letras: "Da. Victória, a sra. está GRÁVIDA."
Bem, foi assim que minha Mãe recebeu a noticia de que euzinha.com estava a caminho. Foi um susto tremendo, como ela mesmo costumava dizer. Foi difícil aceitar a ideia, afinal, há 54 anos, uma mulher com a idade dela grávida, era o mesmo que expor publicamente que sua vida sexual era ativa, e isso naquele tempo era motivo de vergonha para uma mulher recatada, sobretudo em uma cidade do interior do Paraná, com pouco mais de 5.000 habitantes. Contei essa história para fazer uma ponte entre esse período de tempo para que possamos perceber como tudo mudou. Hoje, grande parte das mulheres preferem ter seu primeiro filho muitas vezes depois dos quarenta e as de cinquenta se sentem no auge de sua sexualidade. Fica até difícil para nós entendermos o sentimento de Da. Victória por que na nossa cabeça de hoje não caberia tal constrangimento. Minha irmã mais velha, Amarílis, que eu carinhosamente chamo de " Manhama" (Mãe+Ama, de Amarílis), me conta sempre as falas de minha Mãe na ocasião em que estava grávida de mim. E sei pelas palavras delas, que Da.Victória experimentou uma tremenda saia justa! As outras mulheres a olhavam meio diferente, como se quisessem dizer: " nossa, como pode uma mulher desta idade de barriga...ela não tem vergonha?"
Mas minha Mãe enfrentou a situação e eu cheguei ao mundo pelas mãos de minha querida Manhama, que foi enfermeira, e acabou fazendo o parto em casa, pois ansiosa como sou, não quis esperar o Dr. Propício chegar e fui nascendo com a ajuda de Deus e de minha irmã mesmo. E assim, ela também se tornou minha madrinha de batismo e escolheu meu nome por conta de uma cantora que fazia sucesso na época, Norma Sueli! Se fosse um menino, eu me chamaria Nelson e certamente o jeito simples se chamaria: " Jeito macho de ser"!!!!!! Hahahahahaha!!!!!


Na sequência, Manhama comigo em seu colo, meu padrinho Nelson, marido dela, e minha irmã Marília, no dia de meu batizado.

Aqui, em 1958 Da. Victória com a prole, e no canto esquerdo um agregadinho...rsrsrs.
Faltou o Zé, que já tinha vindo morar no Rio.

Olha essa que fofa...aos 3 anos, de vestidinho de princesa e sapatinho de boneca!


Tenha um ótimo dia!
Bjos, ;*)  ;*)  ;*)


13 comentários:

Tina disse...

Amo vc me chamar de guria, me sinto na flor da idade, mas revitalizante que uma seção de terapia :)

Amei o post, amei muito a segunda foto (amo essa cor sépia das fotos antigas)

Qt ao seu doce comentário de hj, mãos a obra no quadro, boto a maior fé em vc.

Bjão

✿ chica disse...

Que linda história,Norma.Lindas fotos e tu eras e continua linda! Adorei ver! Também fui apressadinha, mas quase nasci no pinico,srsr ...beijos,chica

Sílvia Rosa disse...

Adorei o post Norminha... minha mãe tem fotos muito semelhantes...
Mulheres guerreiras sempre existiram não é? parabéns à vocês.
Beijinhos

Ana Maria ( Jeito de Casa ) disse...

Ai Norma, como é incrível que cada pessoa tem uma história tão diferente e espacial. Devias ser a mimadinha linda da família..rs
Lindas fotos amiga!
Pois minha mae me teve aos 19, depois de 3 dias na maternidade finalmente fizeram a cesária dela. Cresci escutando isso e tinha muito medo de ter meus filhos. O gu foi por cesaria pois estava atravessado, mas acabei indo pra maternidade ja meio tarde, fiquei segurando o qto conseguia e cabei fazendo ele sofrer tadinho.Moral da história, nunca vou querer assustar minha filha... que alias nasceu de cesaria, mas desta vez eu marquei e fiz laqueadura.E qdo ganhei ela aos 30 me achei muito velha..rs

jeito simples disse...

Aninha...fui mimadinha sim até certo ponto. Depois, na adolescência, acabei me tornando tipo "ovelha negra", por conta do choque de gerações...rsrsrsrs. Minha Mãe me chamava de " bandida" e eu adorava , é claro! Hahahaha...

lenalima disse...

Linda história...meia parecida com a da minha mãe, qdo eu já estava casada minha mãe teve meu irmão caçula cinco dias depois que eu tive meu primeiro filho...pode??? curtiu o filho e neto juntos...e o mais legal é que meu irmão nasceu no dia do meu aniver
portanto minha mãe começou e encerrou no mesmo dia e mês, 14 de janeiro.
bem, você foi a raspa do tacho e deve ter sido muito mimada kkkkk
abraços!!!

Te de Ternura disse...

BONITA HISTORIA, ATIGUAS Y BELLAS FOTOS
RECUERDOS INOLVIDABLES QUE PERMANECEN EN EL TIEMPO!!

Myrian disse...

Norminha,
A D O R E I !
Adoro essas historinhas de família!
Essa história eu ainda não conhecia.
Você está lindinha e lourinha...
Beijos.

Angela Bergamaschi disse...

lindas fotos norma, adoro ver fotos antigas,bjos e boa semana

Anônimo disse...

Como sempre vc.lindinha! Já conheço esta história, mas não me canso dela.São belas histórias de família, fazem parte de nossas vidas. E elas contam no nosso modo de ser e de viver. Dava um livro.Beijos. Maria Eliza

Luana disse...

Titia!!!!


Que história mais linda!!!
Que pena que meu computador pessoal não tem internet portátil para eu mostrar para vovó!
Ela iria ficar muito feliz ao ler!
Mas, tem nada não, eu mesma irei transmiti-la, ok?
Um grande beijo!

Mariacininha disse...

Que bacana Norma.Você era linda menininha, alias acho que você ainda é uma linda menina, por isso temos tanta sintonia.

Beijos

Regina disse...

Que linda maneira de contar sua estória Norma. Aliás você sempre faz isso. É uma delícia ler sobre suas lembranças. É como ler um livro muito especial.

ps.: sabe q + uma vez você me inspirou?